Extra! Extra!

No CARIRI MACHISTA de hoje:

Super homem do Real não quer abrir mão de sua mulher de estimação e faz uma proposta justa: comida, plano de saúde e um passeio semanal em troca de liberdade. A mulher não aceitou e o super homem surtou.

-“Mas como? Porque não?”, indagou… “Isso é mais do que circo e pão”, reForçou… “Essa mulher deve ser louca mesmo! Louca e puta! Quer liberdade pra que”?

Ela, que antes de doar seu calcanhar já sabia escrever e falar respondeu:

-“Dêxe eu ir, nhonhô… Sou sujeita inculta, não sou seu predicado normativo não sinhô…quero correr mundo… Me diga, meu sinhô, me diga por favor… Quanto vale o meu quilo”?

Mas o sujeito culto da oração em questão gostava de predicados seus. E para garantir seu direito de macho organizou preventivamente a compra dos adjetivos necessários para garantir a tutoria sobre sua mulher-mercadoria: da psicóloga, a louca; da feminista, a idiota; da academia, a besta-fera; do mercado trabalhista, a preguiçosa; da igreja, a puta; do filho varão, o nojo; dela mesma, o desgosto… Assim, sem quase nada gastar do seu pozinho mágico que faz de tudo Real, o sujeito predicou em norma culta a composição complexa da oração, setenciando o verbo e substantivo impróprio “puta” para sua burra mulher de estimação. Outros capítulos virão….

 

Por: Karlinda de Tal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s