A ABOLIÇÃO NO CEARÁ PELO OLHAR DO INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO CEARÁ

Por Yasmim Rodrigues

A historiografia brasileira foi responsável por narrar os fatos decorrentes no Brasil, e essa responsabilidade ficou a cargo dos Institutos Históricos, a primeira Instituição Histórica fundada no Brasil foi o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB), fundado logo depois da independência política do Brasil, criado nos moldes europeus, seguindo a cartilha da Academia Francesa, produzindo portanto uma história eurocêntrica, vista de cima. Seguindo esse mesmo modelo, posterior ao IHGB foram criados os Institutos Históricos dos estados de Pernambuco, Ceará e São Paulo respectivamente, mas o nosso olhar aqui se volta para a produção historiográfica cearense de um período específico, o pós abolição.

Sabe se que a abolição da escravatura no Ceará se deu quatro anos antes do restante o Brasil, em 1884, muitas são as justificativas para o feito. Mas o que se frisa mais é o desejo que a então província do Ceará tinha de progresso, os intelectuais evolucionistas que aqui habitavam sentiam o desejo de varrer do solo cearense a mancha da escravidão que os impediam de evoluir. O feito deu ao Ceará o título de “Terra da Luz”, província que iluminou e abriu caminhos para que o restante do Brasil colocasse um fim no trabalho cativo.

Isso é o que nos conta a historiografia tradicional, aquela moldada no viés europeu, de supremacia branca que inferioriza e deslegitima a luta do povo negro e cativo por liberdade. Fato que fica muito claro nas páginas da Revista do Instituto Histórico do Ceará, fundado em 1887, três anos depois da abolição no Ceará, trazendo consigo os legados do IHGB e, da história francesa, responsável por contar a história cearense, logo enfatizar seus fatos memoráveis. Neste sentido a abolição da escravatura obteve destaque em suas páginas. Mas, de que maneira essa história é contada, e a quem beneficia?

Falar de negro no Ceará é acima de tudo quebrar um tabu de anos posto e reforçado pela a historiografia partindo da falsa premissa de que não tem negros no Ceará, justificada pelo fato de que a escravidão foi branda, e que o número de cativos não era tão significativo se comparado aos demais estados do Brasil, mas o toque na ferida é necessário, no caso da população negra e cativa cearense é essencial, isto porque o que se conta é que os escravizados que aqui viviam eram serem inertes, sujeitos sem histórias, acostumados a sofrer e que em nada contribuíram para a cultura local, palavras que se repetem nos trabalhos historiográficos do século XIX.

Mas não frisam que a abolição se deu pela greve de jangadeiros que se recusaram a transportar negros cativos para serem vendidos e ainda mais explorados em outras localidades, inclusive de uma mulher negra, conhecida como Tia Simoa, que articulou a greve dos jangadeiros, e como de costume o seu nome não é mencionado na história racista e eurocêntrica. A historiografia deu mérito da liberdade do povo negro aos intelectuais e evolucionistas brancos cearenses, que desejavam remar para o progresso local e para que isso acontecesse era necessário dar fim ao trabalho cativo, a escravidão para os mesmos era um retrocesso que precisava acabar.

O Instituto Histórico do Ceará, em suas revistas e festividades no aniversário de 50 anos da abolição do Ceará, procura deixar clara a inércia do povo negro, que dependiam da boa vontade dos brancos para ter uma vida digna e livre, mas qual era esse conceito de liberdade tão exaltado pelas grandes figuras cearenses? Até que ponto a população negra, agora livre foi favorecida por essa abolição precoce que se deu no Ceará?

A história muito é devedora desses “afro-cearenses” que aqui vivem, primeiro os coloram na condição de objetos, usando um termo atual “marionetes”, inferiorizando suas ações, ridicularizando sua cultura, lhe pondo a margem da sociedade, uma história vista de cima, pelo viés europeu, baseado nas teorias evolucionistas, com doses cada vez mais pesadas de racismo, que não é velado, esta posto, e o que se foi produzido e maculado nos séculos XIX e XX, são responsáveis pelo racismo executado hoje pela elite branca, são baseados não apenas pelo que foi produzido no Instituto Histórico do Ceará, mas também fora dele, que a história nega a presença dos negros no Ceará, que a cultura oriunda de povos africanos é travestida de maneira mais europeia possível, afim de que perca sua representatividade, pois o negro africano remete a escravidão, fato que precisa ser apagado da história, logo o povo negro precisa sair de cena para que se acenda uma clareira nessa confusão racial brasileira.

Isso significa dizer, que a presença negra no solo cearense, se levarmos em consideração os textos históricos e o lugar social de quem os produziu, é resistência, um processo contínuo de enfrentamento social e auto afirmação de um povo que foi e é vítima de uma chibata que resignifica constantemente, antes era um chicote, depois a condição marginalizada imposta pelo estado brasileiro e por fim a caneta da historiografia brasileira que dar espaço para que o racismo ganhe cada vez mais força na nossa sociedade.

Anúncios

1 comentário

  1. Republicou isso em Mamapresse comentado:
    A história muito é devedora desses “afro-cearenses” que aqui vivem, primeiro os coloram na condição de objetos, usando um termo atual “marionetes”, inferiorizando suas ações, ridicularizando sua cultura, lhe pondo a margem da sociedade, uma história vista de cima, pelo viés europeu, baseado nas teorias evolucionistas, com doses cada vez mais pesadas de racismo, que não é velado, esta posto, e o que se foi produzido e maculado nos séculos XIX e XX, são responsáveis pelo racismo executado hoje pela elite branca, são baseados não apenas pelo que foi produzido no Instituto Histórico do Ceará, mas também fora dele, que a história nega a presença dos negros no Ceará, que a cultura oriunda de povos africanos é travestida de maneira mais europeia possível, afim de que perca sua representatividade, pois o negro africano remete a escravidão, fato que precisa ser apagado da história, logo o povo negro precisa sair de cena para que se acenda uma clareira nessa confusão racial brasileira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s